A história do skate: grandes marcos 

| |

Não é novidade para ninguém que o skateboarding vem conquistando uma infinidade de praticantes todos os dias. Talvez isso seja pela democraticidade do esporte e, claro, do crescimento exponencial de buscas por uma vida mais aventureira.

E, assim, considerado um dos esportes outdoor mais buscados por quem não dispensa longos picos de adrenalina, o skateboarding deixa a suas pegadas na história.

Mas, você saberia nos dizer com precisão como tudo começou? Qual é a origem do skate e como o esporte ganhou tantos adeptos?

O skateboarding ao longo do tempo

Para fazermos o movimento de retorno para a gênese do skateboarding, é importante revisitarmos a Califórnia dos anos 60, na qual os surfistas tiveram uma brilhante ideia que revolucionaria até mesmo a narrativa do Surf.

Cansados de esperarem boas ondas no mar, os surfistas californianos passaram a montar um novo equipamento bastante sugestivo mas um tanto quanto peculiar. Dispondo de algumas rodas de patins, os atletas fixaram-as em um deck de madeira que muito assemelhava-se a uma prancha surfista em menores proporções.

Não à toa, dentre as diversas modalidades de skate que conhecemos hoje encontramos o longboard, que nos primórdios ficou conhecido como surf no asfalto. Mas não poderia ser diferente, uma vez que, em sua origem, o skateboarding ficou conhecido como sidewalk surfing.

Foi só em 1963 que o esporte se tornou conhecido mundialmente como skateboarding, nome que se mantém em voga nos dias atuais. Aliás,  com a popularidade do esporte, aos poucos as manobras começaram a ser inventadas.

Mas, as tricks das fases iniciais do esporte eram de todo estranhas: “lambedor de carpete”, “aéreo 540”, “a abdução”, “AIDS” e “mal de parkinson” – foram manobras que surgiram, mas tão logo apagadas.

Por volta dos anos 60, tivemos a oficialização do skateboarding como um esporte de fato em um primeiro campeonato, o que propulsionou a venda de skates no mundo todo, posto que milhões de exemplares foram comercializados entre 1963 a 1969. Inclusive, o grande vencedor da competição, Larry Stevenson, foi também o fundador da marca pioneira em produção de skates em formato de prancha – a Makaha.

Perceba que o pioneirismo do skateboarding foi grandemente influenciado pelo surf, tão certo que, como uma maneira de levar a essência do surf para as ruas, despontou globalmente a modalidade vertical.

Do vertical ao street: a revolução do skate pelo mundo

Foi em 1970 que a Califórnia passou por um extenso período de seca que acabou levando o esvaziamento de muitas piscinas em prol da frenética busca por água. Com a inativação dessas piscinas em formato de U, os surfistas passaram a notar possibilidades de praticar skate.

De piscinas a rampas, as halfpipes, como ficaram conhecidas, possuíam paredes que remetiam a ondas do mar, o que aumentava ainda mais a relevância do universo surfista no skateboarding. Simultaneamente, as partes do setup estavam passando por uma grande fase revolucionária, marcada pela criação das rodas de uretano, material extremamente resistente, mas, sobretudo, macio.

Em 1975, as tricks passaram a ser aperfeiçoadas ainda mais, principalmente com a entrada do grupo de skatistas Z-Boys, renomado por lançar as manobras do surf sobre o deck. Mas, as manobras tipicamente consagradas como as mais básicas essenciais do skateboarding só começaram a despontar em 1979 com Alan Gelfand, lançando o Ollie.

Esse nome te soa familiar? Você provavelmente já se familiarizou com a manobra Ollie, base de demais variações que conhecemos hoje, como: fakie ollie e frontside ollie. Não à toa, Gelfand é considerado um grande nome do universo skateboarding, posto que, graças a ele, aproximadamente 30 manobras foram criadas e consolidadas, dentre elas: click flip e 360 flip.

Já em 1980, além das halfpipes, rampas de madeiras começaram a ganhar forma nas ruas e praças públicas citadinas. O skate adquiriu uma pegada mais cosmopolita atingindo locais cada vez mais urbanos. Tudo era sinônimo de obstáculos, de corrimão, escadas e caixotes a hidrantes. Nasce assim a modalidade street.

Com  o crescimento exponencial do esporte, já que as modalidades ( Downhill, Slalom e Freestyle) começaram a despontar organicamente, surge também uma das revistas mais conceituadas do mundo, no que diz respeito a skateboarding – Thrasher Magazine. E aí não havia volta, a ascensão do esporte já era uma realidade irrevogável.

A ascensão do skate: principais torneios

Com a revolução do esporte, já poderíamos esperar que grandes campeonatos fossem criados a fim de reunir skatistas do mundo todo, bem como a revelação de grandes nomes do esporte.

Em 1995, nasce os X-Games, uma campeonato de compilação de alguns esportes outdoor, dentre eles o skateboarding, que ganhou maior expressividade com a ampla divulgação midiática da ESPN. Aliás, foi na versão dos X-Games de 1999 que um astro do mundo do skate nos foi revelado – o grande Tony Hawk lançava o 900°, fazendo-se lenda no esporte.

Consoante a isso, muitas pistas de skate foram levantadas, o que propiciou ainda mais o desenvolvimento de grandes eventos. A World Cup of Skateboarding, por exemplo, rapidamente se oficializou como o Circuito Mundial de Skateboarding.

Atualmente, o esporte conta com várias atrações que reúnem grandes nomes e modalidades, como o Ramp Pro, Tampa Am, SLS, Dew Tour e CPH OPEN. Tais torneios são divulgados por vários veículos midiáticos e contam com premiações milionárias, vale a pena conferi-las.

É isso por hoje, galera. Estamos no final de mais uma publicação, o que acharam? Contem para a gente aí nos comentários e não deixem de acompanhar as nossas demais postagens aqui no blog. Aqui, postamos conteúdos ricos sobre a temática skateboarding para te manter ainda mais sobre esse vasto universo.

Até mais!

Anterior

Esporte radical: conheça 10 opções desafiadoras e cheias de adrenalina

Conheça as 11 pistas de skate mais iradas ao redor do mundo!

Próximo

Deixe um comentário